CINEMA

A DAMA DE OURO

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]
Débora Böttcher

Últimos posts por Débora Böttcher (exibir todos)

Estima-se que mais de cem mil obras de arte confiscadas pelos nazistas não tenham sido devolvidas aos seus donos legítimos até hoje.  A austríaca Maria Altmann foi uma das poucas premiadas com essa devolução: 68 anos depois das pinturas terem sido levadas da casa de seus pais, mortos durante a Guerra, elas lhe foram restituídas – não sem uma batalha judicial.

Gustav Klimt, Retrato de Adele Bloch Bauer IUm desses quadros (eram cinco) é a famosa pintura de Gustav Klimt, o magnífico Retrato de Adele Bloch-Bauer IAdele era tia de Maria. E essa é a história contada em A Dama Dourada, com a adorável Helen Mirren no papel de Maria, e Ryan Reynolds como seu advogado jovem, idealista e inexperiente.

O filme se passa na década de 80. Judia, Maria sobreviveu por conseguir fugir para os EUA, junto ao marido, no início da Segunda Guerra Mundial. Quando a irmã de Maria morre, ela encontra cartas e documentos deixados por ela, e decide processar o governo austríaco para recuperar as obras roubadas de sua casa durante a ocupação nazista – que lhe dizimou o restante da família (os pais e o tio – Adele morreu aos 43 anos vítima de meningite, pouco antes da Guerra chegar à Áustria).

O Diretor Simon Curtis (de Sete Dias com Marilyn), foi brilhante na condução da trama: ele conseguiu captar com delicadeza toda a dor que esse resgaste trazia, exaltando a Justiça – e não o valor das obras – como o ponto alto dessa recuperação. Também mostra, até com sutileza, como é difícil para os países que abraçaram a Alemanha durante a Guerra admitirem seu erro de avaliação e a relutância que ainda hoje muitos descendentes enfrentam nesse processo de remissão e reconhecimento do enorme mal causado aos Judeus.

Maria AltmannA pedido de Maria, o quadro está em exibição permamente na Neue Galeria, em NY, tendo sido adquirido por Ronald Lauder por 135 milhões de dólares. Mas Maria continuou vivendo na mesma casa simples e a trabalhar na sua pequena loja, doando quase todo o dinheiro recebido de suas pinturas a familiares e a muitas instituições beneficentes.  O advogado, também de origem austríaca, doou parte do dinheiro recebido com seus honorários para a construção de um novo edifício para o Museu do Holocausto de Los Angeles, onde vive.

Maria Altmann morreu em 07/02/2011, apenas cinco anos após sua vitória histórica. O filme nos dá uma pequena dimensão de sua trajetória e mostra que nada é capaz de apagar os horrores de uma Guerra.

Não deixe de ver quando chegar aos circuitos nacionais.


Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Débora Böttcher

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP