ARTE REFLEXÃ0

ARTE FILOSOFANDO EM BREVE ENSAIO

Heloísa Reis

Artista de algumas modalidades e muitos interesses. Mora na Granja Viana e atua junto à sua comunidade em grupos de caráter sócio cultural e ecológico. Participa do Grupo ArteJunto e é colunista da publicação digital/regional Jornal D’Aqui.
Heloísa Reis

Últimos posts por Heloísa Reis (exibir todos)

“A angústia é o caráter típico e próprio da vida. A vida é angustiosa. E por que é angustiosa a vida? A angústia da vida tem duas facetas. De um lado, é necessidade de viver, é afã de viver, é anseio de ser, de continuar sendo, para que o futuro seja presente. Mas, de outro lado, esse anseio de ser leva dentro o temor de não ser, o temor de deixar de ser, o temor do nada. Por isso, a vida é, de um lado, anseio de ser e, de outro lado, temordo nada. Essa é a angústia.
Pois o nada amedronta o homem.”
García Morente


Em nossa existência temos apenas uma certeza: a de nossa finitude. E a inquietação com o sentido da vida nos torna entes peculiares cuja  propriedade mais estranha é a de  termos consciência do resto das coisas e de fazermos parte delas. Seres humanos, desde cedo apresentamos nossos relatos, questionamentos, anseios e faltas.


Serra_Helo

Pinturas rupestres Serra da Capivara .Pará. Brasil


Quando vivíamos submissos às leis da Natureza e buscávamos abrigo nas cavernas, fixamos nossa necessidade de expressão pintando cenas marcantes nas paredes. Assim surgiram os mais excitantes e primitivos museus de Arte da humanidade.

Nossa  ideia de SER veio sofrendo enormes e essenciais transformações no decorrer da História e filósofos  e artistas até hoje tentam explicar esse processo.

Sabe-se que para enfrentar essa jornada  é preciso ir ao âmago das questões, chegar à essência da alma que para Sócrates era a sede da razão – o eu-consciente moral, intelectual e sensível fazendo-se distinto de todos os outros seres da natureza.

A pergunta essencial que Sócrates tentava responder era: o que é a essência do homem? Ele respondia dizendo que é a sua alma e que para tomar posse de si mesmo precisa tornar-se dono de si pelo saber.

Já Santo Agostinho interpreta essa inquietação humana como sendo a necessidade de encontro com a  figura divina. O homem que não entra em contato com Deus seria, em sua visão, inacabado, incompleto, vazio. Em contrapartida, aquele que entra e compartilha do divino torna-se iluminado, completo, descobrindo a verdadeira felicidade.

Com as ciências e os anseios de liberdade  de  Voltaire a Rousseau e a  Kant,  surge a ênfase nas idéias de progresso e perfeição  humanas, assim como a defesa do conhecimento racional como meio para a superação de preconceitos e ideologias tradicionais. O Iluminismo vem como  uma atitude geral de pensamento e ação, buscando um  mundo melhor pela  introspecção e engajamento político-social. Nasce o homem moderno.

Seguindo, encontramos o pessimismo de Schopenhauer dizendo que  apenas pela arte e pelo abandono de si, o homem poderia se libertar da dor; Kierkegaard  considerando  que tanto é possível a dor como o prazer, o bem como o mal, o amor como o ódio.

No entanto enfatizando a eterna insatisfação humana onde a relação do homem com Deus seria talvez a única via para a superação da angústia e do desespero marcada pelo paradoxo de ter de compreender pela fé o que é incompreensível pela razão.

Husserl, Heidegger, Sartre, Ortega y Gasset analizam a seu modo como onde e porquê o homem não assume a sua própria cura, se perde e se aliena – já que  o ser autêntico exige o mergulho na angústia do Nada.


“O Nada de Cordélia” Detalhe.Encáustica Heloisa Reis

“O Nada de Cordélia” – detalhe. Encáustica Heloísa Reis


Ao ter seus anseios de liberdade o homem torna-se responsável por tudo quanto fizer e sem qualquer apoio e sem qualquer auxílio, está condenado a reinventar-se constantemente.

Aqui  trazemos a vida para o agora: a vida humana é sempre minha, a de cada qual, a de cada um de nós. É individual, pessoal e consiste no eu que se encontra numa circunstância no mundo, sem ter a certeza de existir no instante imediatamente posterior e tendo sempre que estar fazendo algo para garantir essa existência.

A ação humana supõe então um sujeito responsável, e a vida é, por essência, solidão.

Entender o vazio existencial numa perspectiva histórico-filosófica nos permite ter um panorama geral amplo e abrangente que abarca diversas linhas de pensamentos dos mais diversos autores e filósofos.

Compreender esse apanhado histórico significa tomar posse dos conhecimentos, teorias e visões que influenciaram e influenciam o que hoje entendemos sobre o tema. E a Arte nos possibilita, agora, empreender uma jornada de identificação do vazio existencial no momento atual, observando as implicações no nosso cotidiano, no sentido de nossa existência e nas nossas vidas como um todo.


Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Heloísa Reis

Heloísa Reis

Artista de algumas modalidades e muitos interesses. Mora na Granja Viana e atua junto à sua comunidade em grupos de caráter sócio cultural e ecológico. Participa do Grupo ArteJunto e é colunista da publicação digital/regional Jornal D’Aqui.

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP