CINEMA CRÔNICAS

CINEMA MODERNO

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]
Débora Böttcher

Últimos posts por Débora Böttcher (exibir todos)

No ano de 1996, o filme “Íntimo e Pessoal” caiu como uma bomba na minha emoção: ele quebrava a era do ‘felizes para sempre’. Eu me lembro de ter ficado sentada diante da tela enorme, imóvel, ouvindo a música triste até acabarem os créditos, e saí dali angustiada e silenciosa – e a amiga que me acompanhava não se mostrou menos melancólica.

De lá pra cá, isso se tornou constante: exceto as comédias românticas (que raramente valem o ingresso), os dramas literalmente se transformaram em reflexos definidos e perfeitos da realidade crua da vida cotidiana: é a arte imitando a vida com uma excelência que impressiona. Não mais amores que dão certo; não mais barreiras de religião ou raça vencidas; não mais curas milagrosas. Os novos scripts seguem o roteiro do sonho quase possível, mas não realizável: ou dão uma definição radical ou nem todas as pendências são solucionadas, deixando aquele sabor de que muito além do “The End”a coisa se estendeu sem resolver-se.

bannercinema
Os filmes de ação também seguem a mesma linha: apesar dos bons enredos atuais, além de velozes demais -são de enlouquecer qualquer um com sua velocidade -, lhes falta um pouco de doçura, alguma coisa que os conecte a um sentimento sublime, muito acima de tiros e explosões projetados pelos efeitos especiais.

A era da internet nos propicia ver muitos filmes – muitos dos quais nem chegam aos circuitos de cinema por conta do pouco apelo comercial. É o caso dos filmes espanhóis, alemães, poloneses, finlandeses, indianos, franceses, russos, ingleses e também americanos que são verdadeiras pérolas da atualidade. Os europeus são espetaculares, densos, que nos incitam a pensar – o que nem todo mundo quer quando se trata de entretenimento.

Mas o que todos eles têm especialmente em comum é o final surpreendentemente chocante. É um susto, pelo menos pra mim, esse confronto com a desilusão, o abandono, a morte dos protagonistas, como se não houvessem mais personagens principais: igualaram-se todos ao nível das possibilidades de desfechos inesperadamente trágicos.

capa_cinemaTalvez o cinema esteja, cada vez mais, se descortinando para novos papéis dentro da sociedade – dentre os quais se destaca essa perda total da ingenuidade humana. Talvez os finais felizes não engordem mais as bilheterias e quem sabe até se a sétima arte perdeu sua função maior de entreter e divertir: agora, a ordem é nos lançar sempre à luz da verdade – aquela mesma que todos os dias trava uma batalha pessoal conosco.

Eu sempre adorei Cinema. Acho que é uma das expressões mais belas da retratação de cenas e imagens que habitam o campo das sensações. Mas ando ficando um pouco, digamos, aborrecida com esse repetitivo derrame de frustração das telas. Não demora muito e vou ter que me alimentar novamente dos Contos de Fadas – Cinderelas, Príncipes, Fadas e Bruxas, Peter Pan’s e Ganchos – para me abastecer a alma de esperanças.

Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Débora Böttcher

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP