PAPO DE LETRAS

DICAS DE ESCRITA – GARCIA MÁRQUEZ

Babel Cultural

Portal colaborativo administrado por Débora Böttcher, onde muitas mãos escrevem e garimpam artigos e informações visando entreter com conteúdo que promova a reflexão e o conhecimento. Obrigada por nos ler: você é sempre bem-vindo!
Babel Cultural

Últimos posts por Babel Cultural (exibir todos)

GaboVencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1982, Gabriel García Márquez é uma lenda eterna da literatura. Entre seus maiores feitos está o livro “Cem anos de solidão”, com sua apaixonante família Buendía e a cidade de Macondo, além de “Crônica de uma morte anunciada”, cuja declaração de que o personagem irá morrer está na primeira frase. Muitas outras obras são grandes clássicos da literatura de língua espanhola e mundial.

Mas além de escritor genial, o colombiano também dedicou seu tempo ao “pensar literário”, à reflexão de sua própria escrita – embora sempre de forma despojada e agressiva, sem perder sua latinidade.

Aí vão 12 conselhos de Gabriel García Márquez para quem escreve:

1 – Uma coisa é uma história longa, e outra, uma história alongada.

2 – Um escritor pode escrever o que lhe agrada, sempre que acreditar naquilo.

3 – Não acredito no mito romântico de que o escritor deve passar fome, deve estar fodido, para produzir.

4 – É mais fácil capturar um coelho que um leitor.

5 – O fim de uma história deve ser escrito quando se está na metade.

6 – Você tem que começar com a vontade de que aquilo que vai escrever será a melhor coisa que já escreveu, pois sempre fica algo desta vontade.

7 – Quando o escritor se entedia escrevendo, o leitor se entediará lendo.

8 – Não devemos obrigar o leitor a ler uma frase de novo.

9 – O leitor lembra mais como termina um artigo do que como começa.

10 – Se escreve melhor havendo comido bem e com uma máquina elétrica [hoje diria-se um bom computador].

11 – O dever revolucionário de um escritor é escrever bem.

12 – Durante muito tempo me aterrorizou a página em branco. Via-a e vomitava. Mas um dia li o melhor que se escreveu sobre essa síndrome. Seu autor foi Hemingway. Disse que se há de começar, e escrever, e escrever, até que de repente se sente que as coisas saem sozinhas, como se alguém as ditasse ao ouvido, ou como se quem as escreve fosse outro. Tem razão: é um momento sublime.

Se você procura mais dicas de escrita de Gabriel García Márquez, uma boa pedida é o livro “Como escrever um conto”, no qual foi transcrita uma oficina de roteiro ministrada por Gabo em Cuba.

Traduzido e adaptado do blog Cómo escribir tu novela.

Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Babel Cultural

Babel Cultural

Portal colaborativo administrado por Débora Böttcher, onde muitas mãos escrevem e garimpam artigos e informações visando entreter com conteúdo que promova a reflexão e o conhecimento. Obrigada por nos ler: você é sempre bem-vindo!

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP