REFLEXÃ0

ENVELHECER

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]
Débora Böttcher

Últimos posts por Débora Böttcher (exibir todos)

velhice_2Desde sempre penso sobre envelhecer – um fato, antes de qualquer coisa. Algo que não se pode mudar, estancar, retardar: envelhecemos e pronto.

E estamos envelhecendo mais: segundo o IBGE, a diminuição das taxas de natalidade e o avanço da medicina, elevaram a expectativa de vida – e, consequentemente, o número de idosos. E, adivinha, esse número deve aumentar: por volta do ano 2050, haverá, no Brasil, 73 idosos para cada 100 crianças – para uma população de aproximadamente 215 milhões de habitantes.

Acontece que nossa sociedade parece não estar preparada para isso: a juventude se comporta como quem não vai envelhecer – e aí vai uma informação crucial: a menos que se morra jovem, essa é a única alternativa para todos.

Só que enquanto ninguém pensa muito sobre essa realidade, o que se vê tristemente nas ruas e nas famílias é um total desrespeito aos considerados idosos. Dependendo de uma determinada idade que os mais jovens estipulam como velhice, passam a debochar e desprezar os mais velhos como se não merecessem mais ser ouvidos. Negligenciam a experiência e desmerecem o conceito de que quem viveu mais, errou mais, mas também aprendeu mais e tem mais bagagem.

As limitações físicas também são ignoradas: esquecem que, à medida que envelhecemos, o corpo fica mais frágil e suscetível a quedas e doenças. Temos menos energia, ficamos mais cansados. Portanto, ceder lugar, ainda que não seja preferencial – em filas, em ônibus, em estacionamentos – é, além de lei no País, uma obrigação de todos.

E, acima de tudo, devemos respeito aos mais velhos por tudo o que eles representam na vida de cada um de nós – enquanto familiar – e na sociedade.

Harold's Planet

Harold’s Planet

Em rede nacional, quem assiste ao Big Brother Brasil – sem entrar no mérito do programa em si -, está vendo essa realidade escancarada: Mariza, uma das integrantes do reality, que tem 51 anos (!!!), é quase todo o tempo tratada por vários outros participantes mais jovens com ironia e gozação. É um desrespeito estarrecedor.

Mas qual é a idade que uma pessoa deve ser considerada ‘velha’? Frases de auto-ajuda costumam afirmar que envelhecer é um estado de espírito e o humor ressalta que a velhice está sempre dez anos à frente do que se tem. É uma sensação que, acredito, todo mundo experimenta e acho que isso acontece porque enquanto se envelhece não se tem uma percepção real do processo.

É claro que, à medida que o tempo passa, a gente nota que algumas coisas ficam mais difíceis, detalhes do passado vão escapando – a memória só abarca o essencial -, mudanças orgânicas ocorrem e o corpo fica diferente.

Mas o que efetivamente faz diferença é o quanto de referências se conhece e se sabe enquanto estamos envelhecendo – e isso traz muitos benefícios na vivência pessoal. Com o que eu sei hoje, aos 47 anos, inúmeras coisas eu não faria e poderia alertar aos mais jovens – se eles quisessem me ouvir -, visando poupá-los de muitas frustrações que enfrentei. E uma pessoa de 60, 70, 80 anos (ou mais!) pode me poupar de erros desastrosos que ainda arrisco cometer.

Seja como for, passa da hora de nos conscientizarmos – e conscientizar as crianças, adultos do futuro -, de que as pessoas mais velhas (ainda que só um pouco mais velhas do que nós) merecem atenção e respeito, ao invés de ignorância e desprezo. Porque, quando nada, são infinitamente mais sábias – qualquer que seja a nossa idade.

Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Débora Böttcher

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP