CINEMA

EXPERIMENTER (Filme)

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]
Débora Böttcher

Últimos posts por Débora Böttcher (exibir todos)

Experimenter-capa_2015Muita gente se pergunta como é que o Holocausto foi possível – com tantas pessoas promovendo violência desmedida, sem qualquer sentimento de compaixão por outro ser humano.

No filme “O Leitor” (2009), a personagem de Kate Winslet (Hanna Schmitz) é uma trabalhadora comum na Alemanha pós 2ª Guerra Mundial e não tem nenhum traço de crueldade – muito pelo contrário, é uma mulher de meia-idade muito calma e doce. Ao longo do filme, descobrimos que Hanna não sabe ler e tem um passado tenebroso: fazia parte de grupos nazistas durante a Guerra.

Na década de 60, o psicólogo americano Stanley Milgram tornou-se conhecido pelos seus experimentos de obediência inspirados nos eventos do Holocausto – ele queria entender como se dava essa sujeição cega. Em um de seus testes,  pessoas comuns eram levadas a dar o que acreditavam serem dolorosos choques elétricos em outras pessoas.

O experimento revelou que mesmo quando escutavam gritos de dor – e ainda que eventualmente desconfortáveis -, a maioria continuava a seguir a ordem de continuar e aumentar a dosagem de choques. Muitos desses voluntários, depois de terminada a pesquisa e receberem o relatório conclusivo, tiveram problemas com sua consciência: eles não conseguiam entender (e aceitar) como sendo pessoas ‘boas’ puderam infringir dor proposital a alguém – e aqui falamos também de mulheres (mães de família).

Stanley_Milgram

O psicólogo Stanley Milgram, que morreu vítima de enfarto aos 51 anos, em Dez/1984

Stanley Milgram (no filme vivido por Peter Sarsgaard), foi duramente criticado na época pela comunidade de Psicologia, pois trouxe à tona um lado negro da humanidade que tentamos negar. Mas seu experimento prova que o ser humano é capaz de se ‘robotizar’ e seguir ordens sem questionar ou sentir culpa.

Uma das frases mais ouvidas nos julgamentos nazistas e ditadores de vários países é: “Eu estava apenas cumprindo ordens superiores.” Em sua defesa, alegam “não terem feito nada”, pois ao seguir ordens, liberam-se de qualquer culpa e responsabilidade. No filme “O Leitor” (citado acima), Hanna Schmitz também se vale dessa alegação – e, no caso dela, que sequer sabia ler, havia o agravante de assinar documentos atestando barbaridades que efetivamente ela até poderia não ter ciência.

A pergunta que continuamos a fazer ao término do filme é quanto ainda a humanidade é capaz de promover atrocidades brutais, durezas e maldades em relação ao outro mediante determinações. Já sabemos que num ‘efeito manada’ – aquele em que várias pessoas promovem violência incitadas por um movimento coletivo – isso é bastante pertinente – estão aí as manifestações de ruas recentes para nos provar.

O mais inquietante disso, entretanto, é não ter certeza de que eu ou você estamos imunes a um experimento – ou realidade – dessa natureza. Essa triste indefinição em não saber se diante de uma ordem cruel nossa selvageria poderá falar mais alto que nossa benevolência e sensibilidade, em mim gera um perplexo desconforto.

Não deixe de ver!


Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Débora Böttcher

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP