CINEMA

O HOMEM MAIS PROCURADO

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]
Débora Böttcher

Últimos posts por Débora Böttcher (exibir todos)

HoffmanÚltimo filme feito por Philip Seymour Hoffman, “O Homem Mais Procurado”  conta a história de um imigrante de origem chechena e russa que, depois de ser brutalmente torturado, faz uma viagem à comunidade islâmica de Hamburgo, tentando resgatar uma milionária herança que seu pai, um terrorista russo, teria lhe deixado.

Numa Alemanha marcada pelo atentado de 1972, que inaugurou a era do terrorismo em grandes eventos e arrastou a paranoia da segurança para o esporte e o mundo, a chegada deste homem desperta a curiosidade das polícias secretas alemã e americana, que passam a acompanhar seus passos. Mas não em cooperação.

O terrorismo aqui mostra sua face na retaguarda: homens bilionários, de diversas religiões e de vários lugares do mundo, que fornecem recursos para grupos extremistas, financiando os atos violentos. Suas armas são documentos, contas em banco, e a ordem para encontrar o cerne da movimentação é “siga o dinheiro”. Aliás, essa parece ser a máxima para toda a desordem do mundo.

Um elenco de peso é prova do prestígio que os escritos do romancista Le Carré e a direção de Anton Corbijn inspiram entre os grandes atores. Ao lado de Hoffman, brilham Rachel McAdams, Willem Dafoe, Robin Wright, Daniel Bruhl, Nina Hoss e Grigoriy Dobrygin nos papéis de destaque, construindo personagens bem intensos – em especial Hoffman, que mais uma vez se supera.


Cinema-O-Homem-Mais-Procurado


O filme critica abertamente a maneira como o Ocidente combate o terrorismo e isso é retratado bem explicitamente nos embates entre o integrante da inteligência alemã,  Gunther (Hoffman), e a representante americana (Robin Wright), em que a política externa desumana e carrasca dos norte-americanos é francamente atacada. 

A história não reflete os ataques em termos morais ou ideológicos; o foco são as operações financeiras que sustentam o terrorismo e como as Agências de Segurança tentam interceptar e prever possíveis atos terroristas por essa via. É um discurso bem complexo, difícil, duro e censurador, e enquanto a investigação avança, a pergunta quase impossível de responder sobre o imigrante é: seria ele apenas uma vítima ou um extremista parte das células na Alemanha? O telespectador vai decidir sobre isso – e também se os meios justificam os fins, e se os fins efetivamente sustentam os meios.


Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Débora Böttcher

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP