CINEMA

PRIDE

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]
Débora Böttcher

Últimos posts por Débora Böttcher (exibir todos)

Não sei se já falei aqui sobre quando convivi com uma pessoa com AIDS até sua morte sem saber que essa era sua doença, lá nos meus idos 15 anos – só alguns anos depois, quando a síndrome explodiu pelo mundo, é que conhecemos o que ela efetivamente representava, além de seus sintomas e gravidade, e eu juntei os pontos. Naquela época, a informação não era ao vivo nem online e as Histórias do mundo demoravam a cruzar oceanos.

Mas muita gente se lembra do ano de 1984, quando Margaret Tatcher estava no poder e os mineiros entraram em greve. Com sua conhecida mão de ferro, ela estava decidida a minguar as forças dos grevistas com total privação financeira.

O “orgulho gay” dava seus primeiros passos em Londres, com alguns pequenos grupos ‘mostrando a cara’. Um desses ativistas idealizadores, provido da urgência de fazer algo pelo mundo, juntou seu bando e decidiu arrecadar dinheiro e comida para enviar às famílias dos mineiros; assim, eles viajaram até o País de Gales, rumo a uma pequena aldeia, para entregar pessoalmente as doações – que vinham mais de gays e lésbicas, mas também de héteros solidários às duas categorias.

Não é difícil adivinhar: alguns membros da União Nacional dos Mineiros ficaram bastante constrangidos – pra dizer o mínimo – em receber esta ajuda – mesmo sendo a única que vinha para alimentar seus filhos e dar alguma dignidade à situação.

Mas é assim que começa a história improvável de dois grupos que não tinham nenhuma relação, e se uniram em prol de duas causas absolutamente diferentes. O filme “PRIDE” conta esse drama nos dando uma bonita imagem da trajetória sempre difícil dos excluídos e discriminados pela sociedade, mostrando que, afinal, somos todos humanos. Mais nada.

 

Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Débora Böttcher

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP