LITERATURA RESENHAS

A ELEGÂNCIA DO OURIÇO, Muriel Barbery

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]
Débora Böttcher

Últimos posts por Débora Böttcher (exibir todos)


“A elegância do ouriço”, 
Muriel Barbery | (Companhia das Letras)

Adiei o desenlace de terminar a leitura desse livro o quanto pude, lendo as últimas 30 páginas bem devagar… É que eu tinha lido por aí que o final era trágico e previsível, e como suspeitei que essas colocações tivessem alguma ligação com Renée, minha personagem favorita, tratei de prolongar-me. 

Acontece que o final, no meu entender, não tem nada de previsível. Mas é triste: daquelas tristezas profundas, próprias das tragédias sem sentido, que sempre nos lembram que tudo muda num segundo – para o bem e para o mal. A impermanência.

Mas até chegar aí, o livro conta a história da ligação, bastante improvável, de uma menina rica de 11 anos e uma mulher pobre de 54 – ‘improvável’ porque, afinal, o que pode haver em comum entre pessoas de gerações e níveis sociais tão distantes?

Muita coisa… A começar pela inteligência de ambas, até a perspicácia, o olhar sem retoques para as pessoas e o mundo, a sensibilidade para a arte e a literatura, a inclinação ao silêncio e à reflexão, o despojamento, a profundidade de pensamentos capazes de analisar, sem paixões, tudo que as cerca.

Paloma, a adolescente, e Renée, na outra ponta do tempo, não economizam ponderações sobre a existência fútil e passional, despropositada, e as duas conseguem perceber, mesmo estando em lados opostos, todas as máscaras sob as quais os seres humanos se escondem… O filme baseado no livro é o francês “Le Hérisson” – que não conseguiu captar toda a essência do livro na minha visão.

Contado em duas vozes, em capítulos intercalados, o livro é leve, rico em detalhes de sentimentos e percepções. Uma leitura excepcional.


“Por fora, é crivada de espinhos, uma verdadeira fortaleza, mas tenho a intuição de que dentro é tão simplesmente requintada quanto aos ouriços, que são uns bichinhos falsamente indolentes, ferozmente solitários e terrivelmente elegantes.” [Paloma, sobre Renée] 


[Renée sobre si mesma] – “Há sempre a via da facilidade, embora eu repugne tomá-la. Não tenho filhos, não assisto televisão, não acredito em Deus, e são esses todos os sendeiros que os homens pegam para que a vida lhes seja mais fácil. Os filhos ajudam a diferir a dolorosa tarefa de enfrentar a si mesmo, e depois os netos que se virem. A televisão distrai da extenuante necessidade de construir projetos com base no nada de nossas existências frívolas; embaindo os olhos, ela livra o espírito da grande obra do destino. Deus, enfim, acalma nossos temores de mamíferos e a insuportável perspectiva de que nossos prazeres um dia chegam ao fim. Assim, sem futuro nem descendência, sem pixels para embrutecer a cósmica consciência do absurdo, creio poder dizer que não escolhi a via da facilidade.”

Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Débora Böttcher

Débora Böttcher

Formada em Letras, com especialização em Literatura Infantil e Produção de Textos. Participou do livro de coletâneas "Acaba Não, Mundo", do site "Crônica do Dia", onde escreveu por 10 anos. Publicou artigos em vários jornais. Trabalha com arte visual/mídias. Também administra o Portal Feminino Estilo [Mulher] 40 [www.estilo40.com]

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP