REFLEXÃ0

SOMOS TODOS CARAÍBAS

Regina Pundek

Regina Pundek

Escritora, professora da Educação Infantil, Psicopedagoga, Engenheira Civil, Educadora focada no desenvolvimento do respeito. Nascida em Santa Catarina em 1958, pertencente à Granja Viana há 15 anos. Esposa, mãe e avó.
Regina Pundek

Últimos posts por Regina Pundek (exibir todos)

diversidadeNo livro Jogos e Brincadeiras do Povo Kalapalo aprendi que o povo indígena do alto-xingu adota o vocábulo kagaiha, que foi aportuguesado para caraíba, para apontar o estrangeiro.

A jornalista Sônia Bridi fez da palavra chinesa Laowai, que também significa estrangeiro, o título de seu livro: Lawoai, Histórias de uma Repórter Brasileira na China.

São dois livros altamente recomendáveis, não tenho dúvidas. A minha dúvida – ou melhor, a minha reflexão – está localizada noutro ponto, que vou tentar desvendar.

Caraíbas, Lawoais, estrangeiros. Que rico o planeta em que moramos! Quantos vocábulos, quantas culturas, costumes, comportamentos, indivíduos distintos! A fatia de mundo que enxergo, que ouço, que sinto é tão pequena! Há tanto para conhecer e aprender.

Sem me preocupar com erros ou acertos, mas buscando a essência daquilo que reconheço como humano, olho o mundo tentando entender as separações que aceitamos em nosso dia a dia.

Muitos tipos de separação e classificação nos são impostos, além dos geográficos. Somos homens ou mulheres, jovens ou velhos, ricos ou pobres, elite ou povo, candidatos ou eleitores, nativos ou estrangeiros … E tanto mais que nem vale a pena pensar – afinal, não somos sempre caraíbas sob o olhar de alguém?

Penso que o olhar do outro me vê de uma forma que preciso conhecer para ampliar minhas possibilidades de ser e de estar. O meu olhar sobre o outro é também uma possibilidade para ele. As interações e relacionamentos, permitem ou não, que esses olhares se revelem.

David_LazarPara conhecer o outro preciso me aventurar, ousar novos caminhos, calar o eu autocentrado e ouvir, contemplar, gastar tempo na tentativa de um não julgamento e sim de acolhimento à diversidade.

E, porque somos todos diferentes e porque o respeito traz paz, o desafio é grande, mas imensamente atraente.

Os aeroportos estão cheios de viajantes, pessoas que querem conhecer novos horizontes, que querem conhecer mais e mais caraíbas e lawoais e, que são vistos mundo afora como caraíbas e lawoais.

Conhecer novas culturas e lançar novos olhares para o mundo é dar oportunidade àquelas potencialidades oprimidas pelo estilo de vida ao qual se aprisionaram.

E sobre estas prisões às quais estamos sujeitos, menos ou mais conscientes, gasto tempo e energia. Entendo que a igualdade é desejável no que se refere ao respeito. Ao nos entendermos como estrangeiros, com a curiosidade e desejo de conhecer o outro de mim diverso, oportunizamos o desenvolvimento e ampliação do que é essencial a este habitante terrestre, a esta massa heterogeneamente rica e miscigenante. E é o amor que nos reduz e nos eleva a uma condição única e comum, somos todos seres humanos, imperfeitos, em constante mudança.

Riobaldo, célebre personagem de J. Guimarães Rosa, tem uma fala linda que cabe como desfecho dessa minha reflexão: “O mais importante e bonito, no mundo, é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas – mas que elas vão sempre mudando.”

Regina Pundek

Regina Pundek

Escritora, professora da Educação Infantil, Psicopedagoga, Engenheira Civil, Educadora focada no desenvolvimento do respeito. Nascida em Santa Catarina em 1958, pertencente à Granja Viana há 15 anos. Esposa, mãe e avó.

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP