PAPO DE LETRAS

VÍRGULA

Babel Cultural

Portal colaborativo administrado por Débora Böttcher, onde muitas mãos escrevem e garimpam artigos e informações visando entreter com conteúdo que promova a reflexão e o conhecimento. Obrigada por nos ler: você é sempre bem-vindo!
Babel Cultural

Últimos posts por Babel Cultural (exibir todos)

virgulaA vírgula é um dos elementos que causam mais confusão na nossa língua, pois há muita dúvida sobre onde deve e onde não se deve usá-la. Ela é um sinal de pontuação que exerce 3 funções básicas:

– Marcar as pausas e as inflexões da voz na leitura;
– Enfatizar e/ou separar expressões e orações;
– Esclarecer o significado da frase, afastando qualquer ambiguidade.

Mas sua utilização não obedece a regras absolutas – existem casos controversos até entre os gramáticos. Entretanto, ela é um ‘signo’ muito poderoso, pois sua colocação pode mudar inteiramente o sentido de um contexto.

Por ex.: “José, Maria e a cachorrinha Judie foram passear.” | “José Maria e a cachorrinha Judie foram passear.” A primeira frase implica que Maria, José e Judie foram passear; já a segunda, informa que José Maria saiu sozinho com Judie para passear.

Assim, vamos listar quatro regras simples que podem ajudar.

1. Use a vírgula para separar elementos que você poderia listar. Ex.: “Pedro, Ricardo, Ana e Sofia foram almoçar.” Note que antes de “e Sofia” não tem vírgula. Um outro exemplo: “A sua fronte, a sua boca, o seu riso, as suas lágrimas, enchem-lhe a voz de formas e de cores…” (Teixeira de Pascoaes)

Vimos aí em cima que, como regra geral, não se usa vírgula antes de “e”. Mas há um caso em que vai vírgula, que é quando a frase depois do “e” fala de uma pessoa, coisa, ou objeto (sujeito) diferente da que vem antes dele. Assim: “O sol já ia fraco, e a tarde era amena.” (Graça Aranha). A primeira frase fala do sol, enquanto a segunda fala da tarde – os sujeitos são diferentes, portanto, usamos vírgula. Outro exemplo: “A mulher morreu, e cada um dos filhos procurou o seu destino.” (F. Namora) – a primeira oração diz respeito à mulher; a segunda aos filhos.

2. Use a vírgula para separar explicações que estão no meio da frase. Ex.: “João, o moço que entrega leite, não apareceu hoje.” Explicações que interrompem a frase são ‘mudanças de pensamento’ e devem ser separadas por vírgula. Sintaticamente, isso é um ‘aposto’.

Também use para a ‘oração adjetiva explicativa’ – quando se explica o sujeito. Ex.: “Eu e você, que nos amamos, deveríamos brigar menos.”

3. Use a vírgula para separar o lugar, o tempo ou o modo que vier no início da frase. Em outras palavras, separa-se o ‘adjunto adverbial’ antecipado. Exs.: “Lá fora, está um frio de rachar.” | “Semana passada, todos vieram para a reunião.” | “Geralmente, ela não costuma se atrasar.” Nas frases, empregamos adjuntos adverbiais de lugar, tempo e modo, respectivamente. Nesses casos, a vírgula também pode ser opcional. Se a expressão de tempo, modo, lugar, etc., não for uma expressão, mas sim uma palavra só, a vírgula será facultativa. Vai depender do sentido, do ritmo, da velocidade que você quer dar para a frase. Tire a vírgula das frases acima e verá que o sentido é o mesmo.

4. Use a vírgula para separar orações independentes – que são aquelas que têm sentido, mesmo estando fora do texto. Ex.: “Acendeu um cigarro, cruzou as pernas, estalou as unhas, demorou o olhar em Mana Maria.” (A. de Alcântara Machado). Note que cada vírgula separa uma oração independente – orações ‘coordenadas assindéticas’.

As orações ‘coordenadas sindéticas adversativas’ também precisam de vírgulas. São aquelas que tem as ‘palavrinhas mágicas’: “mas, porém, contudo, todavia, no entanto, entretanto”. Ex.: “Eu gosto muito de chocolate, mas não posso comer para não engordar.” | “Gostaria muito de revê-lo, entretanto ainda estou muito magoada.”

Não se usa a vírgula para separar sujeito e predicado.

Jeito errado: “João, odeia chocolate.” | “Alice, Maria e Luíza, irão para a escola amanhã.” 

Jeito certo: “João odeia chocolate.” | “Alice, Maria e Luíza irão para a escola amanhã.”

E em relação ao ‘mas’? Uma dúvida muito recorrente é o uso da vírgula depois do mas. Há um costume de sempre empregá-la depois dessa ‘conjunção adversativa’, mas nem sempre ela é acompanhada de vírgula: a obrigatoriedade da vírgula só existe quando ela liga orações de um mesmo período.

Ex.: “Ele falou muito, mas não disse nada.” | “Saiu cedo, mas chegou tarde.” | “Come muito, mas não engorda.” Note que, nesses casos, a vírgula sempre vem ‘antes’ de “mas”.

A vírgula, porém, é facultativa quando esse “mas” localizado no meio do período tem valor aditivo (equivale a “e”) – fica melhor com vírgula, mas não é errado se não colocar: “Não só o pai mas também o filho viajaram.” | “Não só o pai, mas também o filho viajaram.”

Quando a conjunção “mas” aparece no início do período, a vírgula é obrigatória se depois do “mas” houver uma frase intercalada, que a explica; nesse caso, haverá vírgula também depois, já que a explicação é parte do contexto do qual a frase faz parte. Não tivesse a frase intercalada, a vírgula não existiria.

Observe os exemplos:

“Mas, apesar dos esforços, a meta não foi alcançada.” | “Mas, reconhece o ministro, o Brasil precisa economizar mais energia.” | “Mas, se o quadro não for alterado, o apagão será inevitável.”

Veja que em todos os exemplos aparece uma frase entre vírgulas. Esse detalhe é muito importante, porque uma única vírgula depois do “mas” que inicia período é indicativo de erro – isto é, se não forem duas vírgulas, a pontuação provavelmente estará equivocada.


Fontes: Português na Rede | Português Fácil


 

Espalhe por aí...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email

Babel Cultural

Babel Cultural

Portal colaborativo administrado por Débora Böttcher, onde muitas mãos escrevem e garimpam artigos e informações visando entreter com conteúdo que promova a reflexão e o conhecimento. Obrigada por nos ler: você é sempre bem-vindo!

Deixe um recado

Veja os livros que amamos em BABEL SHOP